13 maio 2008

"Quero construir....Arranja-me lá um Projecto" - O Projecto

Penso que todo o mundo que deseja construir a sua habitação, tem sempre em mente (pelo menos devia ter) a intenção de edificar algo que englobe a estética, harmonia espacial, funcionalidade orgânica, comforto, durabilidade, etc, ou resumindo, que o seu cantinho seja um verdadeiro “Burj Al Arab” sem que tenha que pagar 5000 euros/dormida para o resto da sua vida!
Todos esses elementos que pretende ver incorporados são definidos na altura de elaboração do projecto, daí a elevada importância que esta fase representa para a materialização dos seus objectivos!
Antes de mais, escolha alguém de reconhecida competência para lhe elaborar o Projecto e se não o conhecer devidamente, não tenha receio em perguntar qual a sua formação e que trabalhos terá já executado (um profissional de verdade não fica ofendido por isso). É fortemente recomendado que esse processo seja desencadeado muito à priori da data em que se pretende iniciar com a construção, pelas razões que a seguir indicarei (muita gente quando se dirige ao Projectista, quer o projecto “para ontem”!).

Não pretendo ser tão pouco teórico neste blog, mas só para terem uma ideia, um procedimento formal (caso de obras públicas) obrigaria à decomposição do processo de elaboração do projecto, em 5 fases distintas, a saber:
- Programa preliminar: documento fornecido pelo dono da obra ao projectista para definição dos objectivos, caracteristicas orgânicas e funcionais e condicionalismos financeiros da obra;
- Programa base: documento elaborado pelo pelo projectista a partir do programa preliminar, resultando na particularização deste, da verificação da sua viabilidade, e do estudo de soluções alternativas, e que, depois de aprovado pelo dono da obra, serve de base ao desenvolvimento das fases ulteriores do projecto;
- Estudo prévio: documento elaborado pelo projectista visando o desenvolvimento da solução programada, essencialmente no que respeita a concepção geral da obra;
- Anteprojecto ou Projecto base: é o desenvolvimento, pelo projectista, do estudo prévio aprovado pelo dono da obra, destinado a esclarecer os aspectos da solução proposta que possam dar lugar a dúvidas, a apresentar com maior grau de pormenor alternativas de soluções difíceis de definir no estudo prévio e, de um modo geral, a assentar em definitivo as bases a que deve obedecer a continuação do estudo sob a forma de projecto de execução;
- Projecto de Execução: é o documento elaborado pelo projectista, a partir do estudo prévio ou do anteprojecto aprovado pelo dono da obra, destinado a facultar todos os elementos necessários para a boa execução dos trabalhos, constituindo assim (se for o caso) o processo a apresentar para o concurso de adjudicação da empreitada.

Cá entre nós, não estamos para esses “nheque-nheques” todos e tudo é tratado verbalmente. Mas podem ter a certeza que, à medida que o processo vai decorrendo, estas fases vão emergindo naturalmente, porque não é possivel elaborar um projecto de hoje para amanhã. É necessário tempo suficiente para “amadurecer a coisa” e que depois das metamorfoses que eventualmente forem a ocorrer, cada um na qualidade de dono da obra, se sinta satisfeito com o produto (projecto) final que lhe é fornecido. No entanto, neste caso de obras particulares algumas fases são suprimidas, levando o processo a terminar geralmente na fase de Anteprojecto.

Conforme o R.E.G.E.U (Regulamento Geral de Edificações Urbanas), o Projecto deve conter todos os elementos necessários ao exacto esclarecimento da obra, justificação da sua concepção e dos processos e materiais de construção adoptados, bem como a indicação das condições da sua realização.

Fundamentalmente, este deverá consistir, mas não se restringe apenas às seguintes peças:
§ Parte escrita:
- Memória Descritiva e justificativa: que inclui a definição e descrição geral da obra, nomeadamente no que se refere ao fim a que se destina, a sua localização, interligações com outras obras, etc; indicação da natureza e condições do terreno; justificação da implantação da obra e da sua integração nos condicionamentos locais existentes ou planeados; descrição das soluções adoptadas com vista a satisfação das disposições legais e regulamentares em vigor; indicação das caracteristicas dos materiais, dos elementos de construção, das instalações e do equipamento; justificação técnico-económica, com referência especial aos planos gerais em que a obra se insere:
- Nota de cálculo: pretende-se informar sobre a solução estrutural adoptada e ao mesmo tempo justificar como ela irá garantir a estabilidade e solidez do edifício que se pretende construir.
§ Parte Desenhada
# Arquitectura
- Implantação geral
- Plantas de piso
- Planta de cobertura
- Alçados (frontal, posterior e laterais esquerdo e direito)
- Cortes transversais e longitudinais
- Mapa de vãos (portas, janelas e armários)
- Muro de vedação e portões
# Estrutura
- Planta de fundações
- Pormenores de fundações (paredes)
- Betão armado: sapatas de pilares
- Planta e pormenores de vigas
- Planta de lajes
- Pormenor de escadas
- Muro de vedação: pormenor de fundação e pilares
# Hidráulica
- Implantação – Rede de abastecimento de água
- Plantas de piso – Rede de abastecimento de água
- Implantação – Rede de Esgotos
- Plantas de piso – Rede de Esgotos
- Fossa Séptica
- Caixas de Inspecção e de Retenção de Gorduras
- Caixas de águas pluviais e Esquema de Ventilação
# Electricidade
- Instalação de Cabos
- Iluminação Exterior
- Iluminação
- Tomadas de Uso Geral
- Tomadas de Ar-condicionado
- Telefones
- Quadros, Esquema de Comando e Portinhola de Segurança

Em Moçambique, regra geral, os projectos acima referidos (Arquitectónico, Estrutural/Hidráulico e Eléctrico) são feitos por individuos distintos e sem qualquer forma de coordenação. Isto costuma trazer sérios problemas na altura de execução da obra, devido às discrepâncias que inevitavelmente ocorrem. O meu conselho é que, ao contactar um Projectista, deixe que ele forme a equipa de elaboração do projecto, mesmo que você tenha que negociar pessoalmente os honorários de cada um deles (aliás, para evitar intermediários, hehe). Isso facilita, de sobremaneira, no caso em que surgem dúvidas durante a construção. Nessas situações, bastará apenas contactar uma única pessoa (Projectista-coordenador da equipa), em vez de ter que ir atrás de quatro individuos.
No entanto, é bom perceber que esta questão da “Assistência técnica”, que visa não só, a correcta interpretação do projecto, mas sobretudo garantir que a obra seja executada com a qualidade e prescrições do projecto, deve ser salvaguardada por acordo (contrato) entre o dono da obra e projectista durante a elaboração do projecto. O que acontece é que as pessoas limitam-se a ter o projecto e apenas “arranjar” um pedreiro para conduzir a obra. Este é exactamente um dos câncros da auto-construção no nosso pais. Muitos destes “pedreiros” mal sabem ler uma planta de armaduras! Eles precisam de orientação e acompanhamento! Por isso, não pense que “esteja a gastar” contratando alguém competente (mesmo que sazonalmente) para lhe supervisionar a obra, se quiser edificar algo duradouro!

Outro aspecto crucial e que praticamente “nenhum” Projectista fornece ao cliente é o orçamento da obra. Esteja atento e solicite ao seu projectista que lhe faculte esse documento juntamente com o projecto, de modo a saber quais as quantidades necessárias de materiais e o valor global da sua obra. Forneço aqui aos Projectistas e Donos de obra interessados, um “Mapa de quantidades-tipo”, com as “unidades discretizadas”, ou seja, 1 m3 de betão é apresentado decomposto em sacos de cimento, areia e brita, etc. Isto serve para facilitar a compreensão do Dono da obra, relativamente as quantidades de materiais necessárias para cada etapa da sua auto-construção. (Divulgue pelos seus “companheiros de armas” e, se não perceber algo, não exite em contactar-me). (continua........)

10 comentários:

Jorge Saiete disse...

meu irmão, obrigado por me visitares e por fazer constar o meu blog na lista dos teus elos. prometo passar por aqui, sempre que puder. O teu blog, ja consta da minha lista, afinal comungamos os mesmos sonhos: desenvolver moçambique.
abraço

Jonathan McCharty disse...

Ok Jorge!
Faça deste o teu cantinho tambem!
Thanks pelo "add"!
Tenha uma optima semana!

Outro abraço

chapa100 disse...

caro jonathan! ano passado iniciei uma obra e por indicacao de vizinhos fui indicado a um jovem pedreiro ( para construir uma vedacao e pavimento). mas o problema comeca quando peco a documentaco para certificar a idoneidade e professionalismo deste pedreiro - afinal queria uma obra de qualidade -, o jovem pedreiro tinha 9 classe e passou 9 anos trabalhando como ajudante de um "grande" pedreiro em maxixe. mas o jovem porque achou a minha desconfianca um abuso, levou-me a fazer um tour pelas obras por ele executadas, incrivel que tudo parecia nos conformes, bem feitas e levou-me a sua casa onde ele tinha um pequeno atellier onde pude ver mapas, manuscritos e folhas de calculo, material de construcao e de trabalho bem organizado, etc. fiquei de boca aberta, estava ali um jovem com potencial enorme, mas para eu submeter o pedido de licenca para a execucao da minha obra eu precisaria de mostrar que tenho gente qualificada para executar e fiscalizar a obra, assim manda a postura municipal. tive que recorrer a um primo engenheiro, dispensando o jovem. fiquei triste, e tentei convencer o jovem de que ele devia ir a escola industrial e tirar o curso de pedreiro. mas a minha pergunta e a seguinte: nao e possivel certificar ou requalificar este grupo de pedreiros que foram formados fora do ensino tecnico professional? noutros paises as pessoas podem recorrer a cursos de certificacao e requalificacao que lhes permite adquiri documentacao necessaria para exercer a sua profissao legalmente, existe isso em mocambique? afinal o "meu" mecanico tambem aprendeu com mestres a arte de mecanico, o carpinteiro tambem, mas dentro do sistema de certificacao professional nao sei se eles estao abrangidos.

Jonathan McCharty disse...

Caro Jorge! Normalmente, a contratacao de pedreiros, mestres de obra, etc, tem sido por essa via de conhecidos ou de pessoas q se tenham beneficiado dos seus servicos! Para te ser franco, essa questao de "posturas municipais" e' apenas seguida por mera formalidade! O tecnico qualificado, muitas das vezes, termina a sua accao com a assinatura do "termo de responsabilidade".Quem executa, de forma autonoma, mais de 90% das obras de auto-construcao em Mocambique sao esses pedreiros! Uns sao bons (como o q referiste), mas outros sao uma lastima! E verificar os trabalhos por eles anteriormente feitos (e' preciso comprovar q isso seja verdade) e' uma maneira segura de saber com quem se esta' a lidar! Infelizmente, nos nao temos um sistema formalde acreditacao destes "profissionais". Eles se enquadram na classe de tecnicos basicos de construcao e pelo q eu saiba, as escolas da ADPP e outras de arte e oficios, formam esses individuos.

umBhalane disse...

Caro Jonathan Mccharty

Para lhe dizer do interesse do seu blogue - é uma lufada de ar fresco no meio.

Diferente, útil, e muito interessante.

Parabéns

Jonathan McCharty disse...

Caro Umbhalane!
Obrigado pelo seu encorajamento! Conforme dizia o Pe. Antonio Vieira, "basta que apenas um perceba e interiorize a minha mensagem, para que eu me de por satisfeito"! Por acaso tenho acompanhado as suas apaixonantes intervençoes pela blogosfera e, pode acreditar, e' de "mentes livres" como a sua que este mundo (principalmente Moçambique) precisa!
Faça deste, o seu cantinho tambem!

Abraço

am.ma disse...

Encontrei o seu blogue numa das visitas «de blogue em blogue», que gosto de fazer...
Sabe que, em Portugal, as coisas são pouco diferentes? As pessoas só querem projectos porque são obrigadas - depois do projecto aprovado, cada um faz o que quer na obra e raramente o que é construído é o que está no projecto. As pessoas acham que um projecto é apenas um conjunto de papeis, uma mera formalidade!
Parabéns pelo seu blogue, é importante explicar estas coisas às pessoas!

Jonathan McCharty disse...

Obrigado "am.ma" pela sua visita! Fiquei surpreso com a informacao que me acaba de dar! Surpreso mesmo....
Apareca mais vezes!

Abraco

Patricio Langa disse...

Caro Mccharty.
Excelente iniciativa a sua.
Incrível como um enginheiro e um sociólogo que mal se conhecem podem pensar na mesma coisa de “pontos de vista” distintos. Há algum tempo que tenho estado a escrever textos sobre o problema que refletes aqui usando noções da Sociologia Urbana. Queria a partir delas pensar não só sobre os problemas da habitação (no sentido económico da coisa – acesso a crédito, falta de recuros etc), mas do tipo de sub(urbanização) que está a contecer em Moçambique. Está aqui uma coisa na qual podemos pensar juntos. A minha ideia surgiu da leitura de um artigo publicado, há algum tempo, pelo Jornal O PAÍS onde, entre outras coisas, se apresentavam umas contas que diziam que levaria 36 anos (?), se a memória não me falha, para alguém com salário mínimo construir uma casa tipo 1. Isto sem fazer outras despesas. Enfim, o que importa é que a sua reflexão antecipou a minha. Pelo menos na publicação. O que é bom, pois fá-la muito bem.
Parabéns.
Abraço

Jonathan McCharty disse...

Caro Patricio!
Obrigado pelo elogioso comentario!
Na verdade, uma das grandes motivacoes da criacao deste blog, foi a abordagem incisiva dos varios problemas que gracam o sector informal de construcao em Mocambique! Podes ter a erteza que, meter um "olhar sociologico" na analise, so' vai melhorar o debate! Por isso, dou-te a maior forca em prosseguires com as tuas reflexoes que, podemos depois, discuti-las.
Se estou bem lembrado, o artigo do PAIS referia 74anos para construir uma tipo1. Em minha opiniao, os precos apresentados tomam em consideracao a utilizacao dos servicos de uma empresa de construcao(empreiteiro). Pela auto-construcao, bem elaborada e planificada por um profissional competente (que e' o q tenho estado a advogar nos meus posts), e' possivel reduzir os custos ate 1/3 dos atras indicados!
Um abraco