01 maio 2008

ARQUITECTOS E ENGENHEIROS-”O problema do vestido”

Antes de iniciar a abordagem de assuntos concretos que afectam o sector de construção e não só, gostaria de dedicar algumas linhas a esta classe profissional que tem em suas mãos, a tarefa árdua de materializar um dos elementos cruciais ao desenvolvimento: Infraestruturas!
Este é um sector em que se trabalha arduamente, mas regra geral, se aufere “pouco”…. É mais fácil progredir na vida sendo Economista ou Jurista, do que propriamente Engenheiro ou Arquitecto! Esta situação não se restringe apenas a Moçambique, e verfica-se um pouco pelo mundo fora, incluindo paises altamente desenvolvidos, mas há unanimidade em considerar que o nosso caso seja mais dramático!
Porém, não é sobre rendimentos e “profit” destes profissionais que quero falar! Pretendo dedicar este post a relação profissional entre ambos, quantas vezes “azeda”.
Ocorrem-me, para esse efeito, vários “ditos”, que ilustram essa “celeuma”, esse estado de “paz armada” ou se quiserem “guerra passiva” (ou activa??):
Em tempos lá idos de estudante, o venerado Prof. Carmo Vaz, terá afirmado, em “amena cavaqueira” que, “enquanto os arquitectos não se consciencializarem que, não podemos ter uma viga assim “solta” no ar, nós sempre teremos problemas”. Outra expressão memorável proferida por um Arquitecto (Rodrigues), é que “os engenheiros não passam de um bando de parasitas dos arquitectos” (esta até hoje ainda não percebi). É comum dos arquitectos ouvir-se ainda que, “os engenheiros são uns quadrados”. Eu concordaria com esta ultima, não propriamente com a carga pejorativa que esta expressão transporta, mas sobretudo com a “versatilidade” dessa forma geométrica! Nós vivemos do rectangulo (e sua forma particular, o quadrado), isso é um facto!…. “Estruturalmente” falando, essas formas geométricas encorpam o util e o agradável! Conferem-nos não só, óptimas caracteristicas resistentes, mas também, facilitam o processo constructivo. Muitos arquitectos, se calhar, ainda não se aperceberam que, também vivem dessas formas geométricas! Ninguém anda por ai a projectar “a toa”, salas ovais ou circulares, arcos em abóbada, etc! Essas surgem sempre, em minha opinião, como formas “arrojadas”! Provavelmente, a partir daqui, deveria comecar a ser dada uma nova abordagem a este argumento do “quadrado”!
Pessoalmente, devo dizer que tenho tantos amigos e colegas profissionais arquitectos, tantos quantos engenheiros! Não devo dizer que nunca tive “divergências”, mas asseguro que elas sempre ocorreram num espirito altamente profissional, e tendentes a aproximar “diferenças” e encontrar consensos! Devo dizer que, nem sempre é fácil, mas com o espirito aberto, qualquer das partes tem sempre oportunidade de aprender e de “sair a ganhar”!
Ocorre muitas das vezes, um “problema de perspectivas” ao abordar seja um assunto arquitectónico ou estrutural. E falando em “perspectivas” deixa-me abrir aqui um parentesis! Uma coisa que me deixa completamente “passado” (e provavelmente a muitos de vocês também) e que, todas as vezes que tenho que sair com a minha esposa para um casamento, ela tem que comprar um novo vestido, mesmo que o tenha feito numa semana anterior, para uma ocasião similar! A resposta que obtenho é que, “as pessoas já me viram com aquele vestido”! Para mim esta é uma justificação “descabida” porque na minha “perspectiva”, o mais interessante nessa cerimónia seja eventualmente “bater um bom papo” com o amigo que não vejo há algum tempo ou tomar um bom whiskey, sem a minima das preocupações, enquanto que na “dela”, o charme talvez esteja mesmo ai na “indumentária”. É possivel que, entre arquitectos e engenheiros, a questão se resuma a este “problema do vestido”
O que acontece normalmente, é que regra geral, cada um (engenheiro ou arquitecto) fica apenas preocupado com o seu umbigo! Não se preocupa em perceber as razões que outro apresenta porque, “ignoramos” o facto de que “não existe apenas uma solução, para qualquer que seja o problema”!
Eu sou daqueles engenheiros que, de vez em quando, gosta de dar “asas a imaginação” e projectar algumas “coisinhas”. Verdade seja dita, antes quis mesmo ser arquitecto, mas mudei de ideias (e sem ressentimentos) a altura! (Não estou de maneira alguma a legitimar ou promover a minha capacidade de elaboração de projectos….antes pelo contrário, dou sempre “a César o que é de César”!!) E fazer as duas coisas (projecto arquitectónico e cálculo estrutural), permite-me perceber parte do problema! É que uma alteração decorrente do cálculo estrutural, obriga a modificar grande parte das “assunções” /”previsões” do projecto arquitectónico! É exactamente aqui onde começa o “conflito”! E como sempre na vida, o “diálogo” que é um “equipamento bélico” ultra sofisticado e infalivel para resolver divergências, tende a ser substituido por “attitudes radicais” e “unilaterais” de ambas as partes!
Discussões francas e abertas são, profissionalmente, altamente produtivas! Me ocorre agora a memória, o falecido Arqto. Petrov, homem solitário, de muitas andanças pelo mundo fora e que vivia ali mesmo junto ao cruzamento entre as Avs. Mao Tse Tung e Amilcar Cabral, em Maputo! Devo confessar que, das muitas discussões “fervorosas” que “entusiaticamente” tivemos, aprendi imenso e passei a perceber melhor a “perspectiva arquitectónica”….Essas são oportunidades soberanas para “crescermos” profissionalmente, mas que muitos de nós desperdiçamos!
Engenheiros ou arquitectos que se tenham encontrado (ou se sintam) persistentemente em situações “irreconciliáveis” com a sua contra-parte, devem questionar, antes de mais, a sua “habilidade/capacidade de diálogo” e se houvesse um teste para o efeito, deveriam verificar a quantos “courics” anda o seu orgulho (barato)!
Um abraço a todos os “companheiros de armas” e espero ouvir as vossas experiencias “marcantes”, neste contexto!! E mesmo a calhar, vão os meus votos de um óptimo “fim de semana prolongado” do Trabalhador (disse isso mesmo: “prolongado”….Então, custa alguma coisa fazer uma “ponte” “simplesmente apoiada”, entre Quinta e Sexta-feira??)

7 comentários:

Demetrio disse...

Olá Jonathan, foi com muito gosto que li o teu post, e quero sublinhar rigorosamente o mesmo. Eu sou arquitecto, trabalho em amesterdão, na holanda, e partilho da opinião que se arquitectos e engenheiros se sentarem proactivamente e de mente aberta, fazem uma dupla imbatível a nivel de beleza das obras, eficiencia e custo. Espero que continues a batalhar por esta união, porque é uma sempre que virá a dar frutos, cada dia melhores!
Cumprimentos,
Demétrio

Jonathan McCharty disse...

Ola' Demetrio!

E' um prazer ve-lo aqui e queira aceitar os meus votos de excelente carreira profissional ai por terras Holandesas!

E' curioso que e' o primeiro profissional (Arquitecto ou Engenheiro) a comentar e deixar a sua opiniao sobre este assunto!

A minha ideia, ao escrever este post, era colher sensibilidades sobre o relacionamento entre Engenheiros e Arquitectos, nos varios cantos do mundo. Esta postagem e' lida por muita gente, mas os comentarios, raream....

Me perguntava, outro dia, se seria porque "ha' harmonia em toda a parte, entre estas classes profissionais" ou, se "as guerras se intensificaram......", hehe!!

Um abraco e optimo fim de semana!

Filipe cristovao disse...

Boa tarde.

Achei interessante este blog.

Sou um jovem arquitecto com 34 anos e gostaria muito de poder contribuir com os meus modestos conhecimentos, no desenvolvimento de Moçambique.

Em primeiro lugar porque tenho uma admiração enorme pelos moçambicanos e por essa terra linda.

Em segundo porque tive a honra de ter como professor na faculdade no meu 1º ano, o ultimo dinossauro vivo em arquitectura: Pancho Guedes, ou Vitruvius Mozambicanus, que, para além de ser uma excelente pessoa com um sentido de humor extraordinário, tem uma obra vastíssima em Moçambique.

E em ultimo lugar, porque preciso de trabalho, e aqui em Portugal está bastante escasso.

Se conhecerem algeum a quem possam dar o meu contacto era optimo.

Obrigado

Filipe Cristóvão

T: (+351) 966541312
ou
(+351) 214069838

Jonathan McCharty disse...

Caro Filipe Cristovao!
Obrigado pelo teu comentario!
Mocambique e' "terra de boa gente" e temos prazer em acolher quem nos deseja bem! O trabalho a nivel de concepcao e execucao de infraestruturas tem aumentado de ano para ano e tem surgido enormes oportunidades tanto para Arquitectos, como para Engenheiros!
A minha sugestao e' contactes directamente algumas empresas de consultoria ou construcao, cujos contacos podes obter a partir da pagina online das "listas telefonicas/paginas amarelas", bastante modernas e interactivas!!
Esse e' o primeiro passo e a partir dai, pode ser que te solicitem o curriculum e propostas aparecam naturalmente!
Boa sorte e se precisar de algum palpite, nao exite em contactar-me!!

Anônimo disse...

Caro Jonathan.
O meu nome é Carlos Macedo, tenho 48 anos de idade e larga experiência no sector do Mobiliário de Cozinhas, Roupeiros, WC e outros, sector no qual possuo uma fábrica no Porto. Se achar que o Know-how nesta matéria pode ser interessante no processo de desenvolvimento do país, estou disponivel para trocarmos algumas impressões nesta matéria.

e-mail carlosmacedo99@hotmail.com

Cumprimentos

Carlos Macedo

Pirolocito disse...

Muito muito bom.... Tal e qual.... No entanto felizmente consigo dar-me excepcionalmente com os arquitectos com que me cruzo, talvez porque para além de eng. tenho um pouco de artista (tenho a mania que sou fotógrafo)... Bom Blog, vou seguir....

Se precisar de alguma ajuda de um eng.º mecânico, avise.... www.eca.com.pt

Pedro Geraldes disse...

Caro Jonathan,

Parabéns pela publicação. É uma discussão que tenho muito por Portugal... Trabalho diariamente com engenheiros e nunca tive problemas.
Acredito que ambas as profissões se podem valorizar e desafiar mutuamente. temos sempre muito a aprender com os outros e as guerras de profissões são más para todos.

Continuação de bom trabalho,
Pedro Geraldes