21 setembro 2008

“Slave Mentality”!


Numa economia cada vez mais globalizada, “conhecimento” e “informação” (know-how) ganham cada vez mais estatuto incontestável de armas poderosas para o desenvolvimento das nações. Aliás, o seu aproveitamento não é um conceito novo e, se olharmos para a história da humanidade, os reinos e impérios poderosos, sempre buscaram a inovação e o progresso além fronteiras ou se inspiraram em homens doutras épocas, visto que num “círculo fechado”, a criatividade tende a ser limitada ou orientada num sentido particular que se adeque ao meio onde ela é produzida.

Para quem não sabia, Napoleão Bonaparte atacou o Egipto em 1798, trazendo consigo uma inteira legião de engenheiros, artistas, poetas, etc, para “beber” do conhecimento que abundava naquela nação.

Niccolo Machiavelli, que apesar das suas teorias “radicais” e não raras vezes pouco humanas, julgo ter sido um leitor atento dos eventos da sua época, a este respeito disse a dado passo no seu livro “O Principe”:
“……..quanto ao exercício da mente, deve o príncipe ler as histórias e nelas observar as acções dos grandes homens, ver como se conduziram nas guerras, examinar as causas das suas vitórias e de suas derrotas, para poder fugir às responsáveis por estas e imitar as causadoras daquelas; deve fazer sobretudo como em tempos idos fizeram alguns grandes homens que imitaram todo aquele que antes deles fora louvado e glorificado, e sempre tiveram em si os gestos e as acções dos mesmos, como se diz que Alexandre Magno imitava a Aquiles, César a Alexandre, Cipião a Ciro.”

O leitor deve estar a pensar que esta postagem pretende abordar eventos históricos, mas esse decididamente não é o seu propósito! Queremos sim, abordar a temática de desenvolvimento nesta Pérola do Índico e “desafiar” um certo sector desta sociedade que consideramos crucial para a materialização desse feito.

A força motriz duma nação, nunca é-lhe exterior! Ou seja, se algo tiver que acontecer e, independentemente de quanto apoio lhe seja proporcionado pelo exterior, as acções principais e o seu ímpeto, nascem ou são gerados de “dentro”, do seu “interior”! Se queremos ver Moçambique desenvolver-se, somos nós próprios que devemos fazer isso acontecer! Ninguém o fará por nós!

Apesar das nossas imensas potencialidades, este país ainda tem mais de 50% da sua população analfabeta e menos de 5% tem formação superior. Este último é um segmento da população que, porque detém conhecimento, deve incutir em si mesmo a missão de assumir as rédeas do progresso e sirva de guardião e promotor do desenvolvimento desta nação.

Moçambique precisa de “Empreendedores”! E não há limite numérico para essa necessidade! É fundamental que dentre essa juventude, comece a surgir o que considero, o “espirito Silicon Valley”, em que há mais de três décadas, jovens recém-graduados nos Estados Unidos, movidos pela inovação e progresso, criaram com quantias irrisórias, da ordem de mil ou dois mil dólares, empresas que revolucionaram o mundo e hoje valem biliões de dóares americanos!

Existe cá entre nós uma crença errônea de que, para a realização de qualquer empreendimento, são necessárias avultadas somas monetárias, em primeira instância! Isso, de todo não corresponde à verdade! E, não há prova mais irrefutável que a história das grandes companhias que hoje conhecemos, muitas delas que começaram como simples “indústrias caseiras”!

Porquê então, o jovem graduado moçambicano, nada mais pensa senão arranjar um “bom emprego” e termina completamente as suas ambições por aí? Porquê este jovem se vê realizado quando consegue comprar um carro, eventualmente construir a sua casa, e não pensa mais além disso, sabendo-se que este país precisa ainda de quase tudo e que oportunidades superabundam em quase todos os sectores da economia? Porquê, na impossibilidade da realização dos seus sonhos a “curto-prazo” (como parece ser a norma), este jovem envereda pelas famosas “boladas” como um meio para “resolver a vida” e nunca passa pelos seus planos, e apoiando-se no seu know-how adquirido durante a formação académica ou que é capaz de adquirir conforme o caso, iniciar uma actividade complementar ou um empreendimento?
Porque que é que o agrónomo não pensa em abrir a sua farma? O veterinário iniciar a sua criação de gado bovino ou caprino? Porquê o jurista não abre o seu escritório de advogacia? Porquê o arquitecto não abre o seu atelier ou o engenheiro não vira empreiteiro? Porquê o oceanógrafo não cria a sua empresa pesqueira? Porquê o físico ou o químico não se tornam inventores ou promotores industriais?

Será que estamos em presença dos efeitos nefastos da escravatura, e que volvidos estes dois séculos após a sua abolição, continuamos a nascer “moldados” para ter um patrão?

Este país precisa de absolutamente tudo! Urge que comecemos a produzir, que comecemos a criar um ambiente de negócios que assente em conhecimento, trabalho, princípios éticos, competitividade, inovação e iniciativa!
Dizendo honestamente, não acho que os “Empresários Três Pedras” aqui referidos tenham culpa da sua maneira de actuação! Esta é uma geração que “sacrificou” a sua juventude lutando pela libertação da pátria, de que agradecemos! Não tiveram oportunidades de formação e, como resultado da nossa história recente, se encontram hoje em posições estratégicas, na maior parte dos casos detendo “a faca e o queijo”, mas não sabendo para que um ou outro servem! A consequência directa disso é que temos carradas de empresários, mas o país quase nada produz! Até tomate temos que importar!

É um facto que a maior parte de nós provém de famílias menos abastadas e, consequentemente, não tem um “saco azul” para iniciar um empreendimento logo ao sair da carteira! Pode se perceber, por aí, a necessidade prévia de um emprego não só para ganhar alguma experiência, mas também para juntar recursos materiais e financeiros para os investimentos que pretendamos fazer!
Julgo que, em vez de ficarmos com os braços cruzados e esperar que um dia as coisas se emendem, ser este o raciocínio que falta a maior parte de nós! A iniciativa, a visão e, fundamentalmente, o desejo de se sacrificar pelo trabalho, para depois colher os seus frutos!

Um facto que se precisa ter em conta nisto tudo é que nós já não precisamos de inventar a roda! A maior parte das coisas que temos que fazer agora pelo nosso país, já foram realizadas por outros povos noutras épocas! Tal como referiu Machiavelli acima, é desses indivíduos e dessas nações que precisamos aprender! E para isso, não precisamos de um batalhão de cavalaria a assaltá-los, ou de uma frota marítima em viagem dos descobrimentos! Os meios tecnológicos hoje existentes, nos permitem obter as experiências e os feitos desses povos de forma rápida e nós nos podemos desenvolver de forma mais acelerada! Mas precisamos de incutir em nós, a cultura de trabalho!

Esse “click” precisa estalar nas nossas mentes e esta é a luta de libertação nacional que se nos impõe neste momento!

4 comentários:

LoveMozambique disse...

Jonathan, this is quite a mind-expanding article. May I contact you directly?

Jonathan McCharty disse...

LoveMozambique!
Thanks for coming here and I'm glad you felt your mind expanding when reading the article! That's reason this blog exists! Feel free to contact me! You can see my email adress in right upper corner!

Cheers!

LoveMozambique disse...

What upper right corner? I have opened several postings, and none show your contact info. Mind inserting it in your next message?

Jonathan McCharty disse...

Sorry indeed! I should have told you to check my "profile"! Anyway, here it is: jonmccharty@gmail.com

See you!