09 junho 2008

"Quero construir....Arranja-me lá um Projecto" - Quem são os Donos de Obra?

O “boom” no sector de construção civil em Moçambique, teve o seu inicio nos anos imediatamente a seguir aos Acordos Gerais de Paz, logo no inicio da década de 90.
Muito antes de se ter começado a falar das novas “áreas urbanizadas” ou de “expansão” das cidades, como “Belo Horizonte” (Maputo), “Muhala-Expansão” (Nampula), só para citar algumas, a construção já tinha renascido em áreas “previlegiadas” das capitais provinciais, incluindo até, zonas protegidas (proibidas). E nao é um “peão” qualquer que consegue transpor tantas “barreiras”, comprar um talhão (não nos iludamos com as cantigas da “Lei de Terras”; neste pais terreno compra-se e muito caro) em zonas “restritas” e construir os “palacetes” que temos vindo a observar, aqui nas encostas da Marginal, Bairro Triunfo, Sommerschild II, “Barreiras”, só para dar alguns exemplos aqui da capital. Um pedaço de terra de 20x40m2 nestes locais não custa menos de 50.000USD. Outro aspecto que precisa notar, é a dificuldade acrescida imposta pela topografia desses terrenos (taludes ingremes na marginal) ou suas caracteristicas geotécnicas (mangais da Costa do Sol), o que requer o envolvimento de técnicos qualificados e, consequentemente, custos elevados pelo projecto e pela solução arquitectónica e estrutural considerada. Estima-se que o valor médio da construção dessas obras ronde os 350.000USD e muitos dos seus proprietários, que vão desde “business men” (de todas as raças e bem conectados ao “sistema”), “top-executives” de empresas privadas e estatais até a famosa “nomenklatura”, (libertadores da nação e porque não, os seus legitimos “donos”!), recorrem geralmente a empresas de consultoria para a elaboração do projecto e posterior adjudicação da obra a empreiteiros para a sua execução. E como este pessoal “vai a todas”, eles também estão lá nos “Belos Horizontes”, “Malhampsenes”, “Estoril”, “Chuabo Dembes”, “Muhala-Expansão”, “WimbeII”, etc.
No entanto, não é esta fracção previlegiada que constitui o “motor” deste ressurgir da construção habitacional em Moçambique. Não menosprezando o tremendo “fosso” que os separa dos “barrigas grandes”, a classe que poderiamos considerar como a “dos que têm salário de licenciado” (cerca de 500USD/mês) é que é o vector principal deste processo. Embora o pais tenha ainda menos de 5% da sua população com ensino superior, esta “classe” tem uma base consideravelmente alargada, se tomarmos em conta que, mesmo os cobradores de “chapa” não aceitam um salário inferior a 5000 Mtn (200USD). O sector bancário que começa, mesmo que de forma espreguiçada, a prover serviços de crédito a habitação, tem os seus olhos virados para esta “classe” e se um dia, o “Fundo” da nossa linda psicóloga (já agora, não deveria ser alguém formado na área?) ousar criar uma politica coerente de habitação neste pais, é nestes seus verdadeiros “desenrascas” que se deve concentrar!
Esta classe tem de tudo: desde o cobrador de chapa, o proprietário da barraca, o vendedor informal, os “Sós doutores”, as famosas socialites, celebrities e por ai fora! Um autêntico TNT (tri-nitro-tolueno) social que, muitas das vezes, está apenas preocupado em ostentar o que não se tem ou não se é! A história da socialite contada aqui é apenas “um cheirinho” da pólvora que anda por ai escondida em embalagens de chocolate! Todo o mundo preocupado em “aparecer”: com o carro que o vizinho não tem (nem interessa se é roubado ou não), roupas “de marca”, fragrâncias francesas, quando “por dentro” não passamos da pior escumalha que se pode encontrar, vigaristas, mal alimentados (para compensação, uma “cabeça” logo de manhã na barraca da esquina nos dá cá um jeitinho!) e precisa ver a “capoeira” onde moramos! Todo o esforço empreendido é mesmo dedicado apenas para “aparências”! Valores como honestidade, trabalho árduo, honrar a palavra, ética, respeito mútuo, etc, desses temos pavor!
E quando decidimos “construir”, esse “modus vivendi” tem que ser operado na sua “máxima força”! Quem é o projectista que no decurso da sua carreira e, depois do trabalho árduo que envolve a elaboração de um projecto, não tenha ainda sido “vitima” das investidas destes nossos (pseudo) ricos? Habituados exactamente a uma sociedade que vive de “aparências” somos induzidos a observar alguns “parâmetros” para avaliar o “poder financeiro” dos que nos cruzam o caminho e, consideramos mais do que suficiente, firmar verbalmente os contratos de prestação dos nossos serviços! “E depois é que são elas…..”!
Aos meus “fellows” projectistas deixo aqui um modelo de contrato (escrito) a ser firmado sempre que vá oferecer os seus serviços, porque o “ladrão” e o “vigarista” do século XXI não precisa necessariamente de aparecer com aquela cara ameaçadora e uma espada de dois gumes! Ele vem num Mercedes-Benz, trajado num fato “Pierre Cardin”, bem cheirozinho e com muitos celulares (passando por muito solicitado e com muitos business “to run”).

É isso, meus caros compatriotas! “A riqueza de um pais, é o seu povo”! Vamos lá investir e nos esforçarmos, a cada momento do nosso dia-a-dia, em sermos melhores pessoas para connosco próprios e para com os demais!

6 comentários:

Jorge Saiete disse...

Show-offistas são tantos entre nós. preocupados com a imagem externa na estrada. E porque querem manter a imagem falsa que criaram junto do público andam de vigarisse a vigarisse. é bom que andemos atentos, nada de avaliar a pessoas pelo look, é perigoso!!!

Jonathan McCharty disse...

Abolimos a educacao moral e civica apos a independencia, porque esse era um instrumento colonial para "amolecer" as nossas mentes (bravas). Trinta anos depois estamos a colher os frutos dessa "sementeira".
Ha' realmente muita gente vivendo de "aparencias", conforme diziam os gregos: "Beleza por fora, mas por dentro, uma praga"

ximbitane disse...

Infelizmente, neste pais, o que mais custa é ser honesto. Viver de aparencias é o que está a dar e isso vai continuar enquanto medidas exemplares não forem tomadas.

Vi, ha tempos, apos a graduação de um grupo de recem-formados no Instituto Mae Maria, um recem-graduado dizer que a sua tarefa não seria educar a sociedade, mas sim fazer dinheiro que a vida esta dificil e o que importa agora é só ter o canudo.

Se o prof de educação moral já saltou a cerca, o que sera dos outros? Bom, resta-nos educar os nossos filhos em casa quiça assim nos proximos 30 anos teremos gente honesta...

Jonathan McCharty disse...

E' verdade o que dizes. Cada um precisa fazer a sua parte seja: familia, escola, sociedade. Se ao povo nao e' ensinado que, os beneficios que se pretende alcancar so' podem ser gerados por trabalho, continuaremos a viver na ilusao das boladas e, quando conseguirmos algo, teremos que viver em estado de "alerta-permanente" pq uma multidao esta' a espera do momento exacto para nos "arrancar" o q tanto custa obter. Ha' um trabalho enorme, mas e' preciso ter em mente que "Educacao" e' uma arma eficaz para moldar uma sociedade.

Anônimo disse...

No seu contrato modelo nao deixei de notar que chama para si varias especialidades do projecto (Arquitectónico, Estrutural e Hidráulico, de acordo com as Memórias Descritivas e a Nota de Cálculo) sera para efeitos de responsabilidade do mesmo na qualidade de coordenador ou executa todas as especialidades? nao sera ja altura de neste pais cada especialidade de projecto ser executada por tecnico especialista e devidamente credenciado para o efeito?

Jonathan McCharty disse...

Caro Anonimo!
Obrigado pelo seu comentario! Na verdade, tenho sentido falta de perguntas de gente versada na area!
Pela minha percepcao, os projectos "serios" ca' em Mocambique tem sido feitos por tecnicos especializados! O problema que ocorre, e' que quase sempre, nunca ha' coordenacao entre os projectistas, facto que referi numa das postagens anteriores! Agora, caro anonimo, se se deu ao trabalho de ler o "contrato modelo" ate' ao fim, tera' concerteza notado que, na "Clausula 5a" a preocupacao que levanta, vem devidamente esclarecida (portanto, trata-se de uma equipa de realizacao do projecto)!

Abraco, tenha uma optima e apareca sempre!